Arquivo para Nação Zumbi

#1681 – Lobão tem razão?

Posted in Evento, Indústria, Indie, Rock with tags , , , , , , , , , on 21 de novembro de 2011 by Ricardo Somera

Hoje foi anunciado o line-up do Lollapalooza Brasil com headliners como Arctic Monkeys e Foo Fighters e indies sensação como Foster The People e Band of Horses. Entre as bandas brasileiras nada demais, além dO Rappa e Pavilhão 9 (lembra??? promete ser foda). No total foram menos de 40 bandas pra os 5 palcos prometidos, acho que ainda falta bandas para ser anunciadas até abril.

Mas o que está dando o que falar (além do R$ 500 pelos dois dias de shows) é o vídeo que o Lobão publicou no YouTube criticando os festivais internacionais que acontecem no Brasil. Lobão diz que foi convidado e recusou o convite pq contratualmente os brasileiros independente do tempo de carreira tocaria das 10h as 15h.

Havia comentado no post sobre os melhores shows do Planeta Terra 2011 que Jorge Du Peixe (Nação Zumbi) fez essa reclamação durante sua apresentação no festival. Achei mancada já que a banda topou tocar naquele horário.

Gosto de ver shows de dia (até prefiro), mas que a divisão seja democrática para não segregar as bandas brasileiras que merecem todo o respeito e direitos iguais. Lobão tem razão no que diz, mas não vou deixar de comprar e perder o show do Arctic Monkeys pq vão colocar o Garage Fuzz pra tocar as 12h, né? rs

Concordo que os produtores dos festivais deveriam pensar melhor sobre o horário das grandes bandas brasileiras para que não bata o horário dos headliners.

#1689 – Os três melhores shows do Planeta Terra (o festival, ok?)

Posted in Evento, Indie, Manguebeat, Rap, Rock with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 6 de novembro de 2011 by Ricardo Somera

Strokes

Foi um super presente pra todos que estavam no festival ver um show do Strokes quando o primeiro álbum da banda – This Is It – completa 10 anos. Se parar pra pensar os Strokes (junto com o White Stripes) que deram o pontapé inicial no que chamamos de indie rock. “Last Night” virou hit obrigatório em todas as festas e depois foi um sucesso atrás do outro.

Voltando ao show: até a quinta música fiquei muito lá na frente no meio da galera e além de não estar conseguindo ver nada o som tava muito ruim. Decidi sair do aperto, pegar uma cerveja e ver um pouco mais de trás. Perfeito! O som estava alto e perfeito pra quem ficou um pouco atrás e a visão era muito melhor. Um hit atrás do outro e uma gritaria só a cada final de música. Foi demais, muito bom mesmo, pra mim foi o show do ano.

1        O que era o Julian com aquele boné estilo Kanye West?

2        Brasileirada gritando: “Fabrízio, Fabrízio!”

3        “You Only Live Once” e “Under Cover of Darkness” viraram YOLO e UCOD no telão. Na hora eu não tava entendendo nada, mas li que copiaram o nome da setist dos caras…rs

Nação Zumbi

Pra mim entre todas aquelas bandas escaladas para o festival a Nação Zumbi era a que estava mais deslocada. Não são “novidade”, “indie” ou gringos. Mas quando entraram no palco mostraram que era uma banda muito melhor que muitas das que iriam se apresentar. Foi uma celebração! A versão de Umbabarauma (Jorge Ben) ficou sensacional e mesmo já tendo visto o show antes surpreendeu muito e se não tivesse o Strokes pra “atrapalhar” seria sem dúvida o melhor show do festival.

Achei meio babaca o Jorge Du Peixe criticar o festival por colocar a Nação pra tocar num horário onde o sol estava muito forte e o público estava prejudicado e blá blá blá. Que deselegante..rs. Achei o horário muito bom e o clima tava a cara da banda: quente.

Criolo

Eu sou suspeito pra falar do show do Criolo. Curto muito o cara, o novo álbum e também o show. Recentemente vi no Inferno, mas a apresentação era sem banda (MC+DJ). Dessa vez teve Curumin na bateria, Daniel Ganjaman no teclado e uma ótima surpresa: Rodrigo Campos no cavaquinho (sou fã!). Ótima pedida para abrir o festival já que o Criolo está “na crista da onda”. Legal ele ter tocado” Cerol” e “Vasilhame” (músicas que não estão no álbum), mas faltou “Demorô”. Ta de parabéns!

Demais bandas:

Era tarde, tava com fome, não queria ver Interpol e depois de uma fila de 20 minutos pra comprar o lanche me arrisquei ir ver Goldfrapp. A vocalista parecia a Madonna, mas sem ter feito chapinha. rs O som não era dos melhores, mas com o passar do tempo foi ficando bom, até virar uma baladinha. Sem querer vi o show inteiro, foi um tempo que tinha tirado pra descansar, mas até dei uma dançadinha. Antes tinha visto o White Lies que abriu o show com o hit “Farewell To The Fairground” e pra mim o show começou e acabou por ali, talvez por ser a única música que conheço e gosto. Muito depressivo, pau mole, sei lá. Fui sentar e fiquei bebendo e batendo papo e pensando: que gringaiada idiota. O maio calor e os caras com calça e camisa abotoada até o pescoço.

Dei uma olhada no Broken Social Scene e achei chato. A banda gringa que mais me surpreendeu foi Beady Eye. Fui para a área do Main Stage pra descansar os pés pro Strokes e gostei do que vi. O Lian parecia simpático, as músicas as vezes me lembrava Oasis e as vezes Beatles (pq será? rs). Nada demais, mas me surpreendeu muito!

As demais bandas não tive tempo ou saco pra ver. Que venha o Planeta Terra 2012.

#1690 – Planeta Strokes Festival (ou First Impressions Of Planet Earth)

Posted in Eletrônica, Evento, Experimental, Indie, Música Brasileira, Rock with tags , , , , , , , , , , , , , on 6 de novembro de 2011 by Ricardo Somera

Voltando de mais um Planeta Terra Festival dá para afirmar: é o festival brasileiro mais bem organizado, quase perfeito. Sem dúvida é o maior festival indie do país, mas esse ano o line-up ficou um pouco a desejar. Com Strokes e Beady Eye (ex-Oasis) como headliners do festival e ingressos esgotados em poucas horas parece que a seleção das demais bandas realmente ficou para escanteio.

Panorama geral dos shows

Shows que vi: Strokes, Nação Zumbi, Criolo, Goldfrapp e White Lies (ordem de importância).

Shows que vi em partes: Broken Social Scene (chato!), Beady Eye (me surpreendeu muito, mas ví sentado) e Groove Armada (indiferente).

Shows que passei perto do palco, mas nem prestei atenção: The Name, Garotas Suecas, Gang Gang Dance, Toro y Moi. “Vi” esses show quando estava de passagem para ir na Looping Star…rs

Nem vi: Interpol (não curto e evitei) e Bombay Bicycle Club (bem no meio dos dois principais shows).

Com certeza esse era o festival Planeta Strokes. As camisetas de banda eram do Strokes, em todos os brinquedos e nos stands dos patrocinadores tocavam Strokes, todo mundo ficava contando as horas para o show do Strokes e quando os nova-iorquinos saíram do palco apenas umas 3 mil pessoas (pra menos) permaneceram no Playcenter para ver o Groove Armada no Palco Indie.

Mesmo o lineup desse ano ficar devendo aos anos anteriores valeu muito a pena e com certeza já é o festival do ano, por causa dos Strokes…rs.

#1692 – Jacaré do “É o Tchan” é uma das atrações do palco indie do Planeta Terra 2011

Posted in Axé, Evento, Indie with tags , , , on 3 de novembro de 2011 by Ricardo Somera

Quem prefere Garotas Suecas a Nação Zumbi e White Lies terá uma supresa quando for conferir o show da banda no palco indie do Planeta Terra Festival 2011. O quinteto paulistano levará Jacaré (ex-dançarino do É o Tchan) para uma performance durante a apresentação no festival.

O dançarino e projeto de comediante – ele fazia o programa A Turma do Didi – participou do clipe Banho de Bucha do Garotas Suecas que concorreu a melhor clipe do ano no último VMB.
Dá uma olhada aí e veja se anima ao revival anos 90. Se não se animar me encontra no palco principal.

Serviço:

Garotas Suecas no Festival Planeta Terra
Participação especial: Jacaré
Sábado, 5 de novembro, às 18h30 (Indie Stage)
Playcenter: Rua José Gomes Falcão, 20 – Barra Funda – São Paulo, SP
Ingressos esgotados
http://www.bandagarotassuecas.com.br

#1701 – Você ainda tem chances de ir ao Planeta Terra Festival 2011

Posted in Evento, Indie, Rock with tags , , , , on 19 de outubro de 2011 by Ricardo Somera

Você que quer muito ir ao Planeta Terra Festival 2011 e não conseguiu comprar ingresso nas primeiras 14 horas? Ainda dá pra tentar a sorte nas promos abaixo que selecionei.
Algumas ainda dão ingressos VIPs.

Os Merecedores (51 Ice) 10 ingressos para a pista e 8 VIPs

Esse é o melhor concurso para ganhar ingresso para ver Criolo, Nação Zumbi e White Lies. Você precisa curtir a página de 51 Ice, indicar um amigo que merece ganhar o ingresso e pedir para seus amigos votar em você. São 8 VIPs e mais 10 pista. Como você ficou sabendo pelo meu blog vota em mim lá…

Decibel (Azzaro) 9 ingressos para a pista e 1 VIP + perfume assinado pelo Julian Casablancas (Strokes)

O perfume que tem Julian Casablancas (Strokes) como garoto propaganda além de premiar com ingresso para o festival ainda dá um perfume autografado pelo cara. Basta responder: “O que você faria para ir ao Planeta Terra e ganhar um perfume autografado pelo Julian Casablancas?” Aí é esperar e ver se você é um dos sortudos.

Dupla Sensação (Close-Up) 12 ingressos (agora só faltam 4)

De todas essa é a promo mais tosca. Os primeiros 8 vencedores fizeram respostas ridículas, sem nenhuma criatividade, ou seja, vale a pena tentar, mas a decisão é feita aleatoriamente. Não há critérios explícitos. Basta escrever duas sensações que aparentemente não tem nada a ver com a outra. Dá uma olhada nas últimas respostas que ganharam: Alone + Together (em referência à música do The Strokes), Bebedeira + Câmera fotográfica, Teoria + Prática, Celular + Banheiro. Tosco, mas não custa tentar.

#1778 – Dub Echoes

Posted in Dub, Evento with tags , , , , , , on 2 de julho de 2009 by Ricardo Somera

Desde o dia 25 de junho está rolando em São Paulo o In-Edit – Festival Internacional de Documentário Musical. Ontem fui ao MIS ver “Dub Echoes” do brasileiro Bruno Natal. O filme conta como surgiu o dub na Jamaica nos anos 60 e como ele se espalhou pelo mundo através de imigrantes jamaicanos na Inglaterra e logo em seguida atingiu todo o mundo, inclusive o Brasil. Há depoimento de figuras importantes para a cena como Lee “Scratch” Perry, Mad Professor, Marcelo Yuka, Basement Jaxx, Nação Zumbi, 2ManyDJs e Black Alien.

A última sessão do documentário em São Paulo acontece dia 4 de julho (sábado, 19h30), na Galeria Olido (Centro) e depois no Rio dia 11 de julho (sábado, 21h), no Cine Santa Teresa.

Mais informações sobre Dub Echoes no site oficial

#1851 – Pré-programação da Virada Cultural 2009

Posted in Uncategorized with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 14 de abril de 2009 by Ricardo Somera

Ainda não saiu a programação “super oficial” da Virada Cultura 2009 (2 e 3 de maio), mas tem uma prévia do que vai acontecer.

Ao lado da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, o tecladista britânico Jon Lord, ex-Deep Purple, dará início à maratona de shows no palco principal do evento, montado na Avenida São João (que ano passado teve Mutantes e Orquestra Imperial). Outras atrações confirmadas no palco São João são Geraldo Azevedo, Marcelo Camelo, Instituto (BNegão, Thalma de Freitas e Carlos Dafé ) tocando Tim Maia Racional, Tribo de Jah, Cordel do Fogo Encantado (9 da manhã), Zeca Baleiro, Novos Baianos e Maria Rita.

No Teatro Municipal, mais uma vez, reunirá artistas tocando álbuns clássicos na íntegra. Entre eles Arrigo Barnabé vai apresentar seu “Clara Crocodilo” e Tom Zé interpretará o álbum “Grande liquidação”.

O Largo do Arouche continua com a programação brega que ano passado teve Nelson Ned e esse ano tem Benito di Paula, Wando, Reginaldo Rossi, Beto Barbosa,Odair José e Wanderley Cardoso.

O Largo Santa Efigênia que ano passado foi o palco do samba com Quinteto em Branco e Preto esse ano ficou meio “também sou hype sambista” e tem Iara Rennó, Danilo Moraes, Curumin, e um monte de gente desconhecida que depois da virada vão ser residentes do Studio SP (hehehe).

A Praça da República, como no ano passado será o palco rock e apresenta entre muitas atrações as bandas Tutti-Frutti (os que tocavam com a Rita Lee), Velhas Virgens, MQN (que tava no palco indie ano passado), Matanza, Vanguart, CPM 22, Nação Zumbi, entre outros.

O palco que promete ser o mais animado durante as 24 horas é o Rio Branco, que vai contar com a safadeza das bandas tradicionais de samba-rock / samba / gafieira / etc.: Farufyno, Trio Mocotó, Clube do Balanço, Os Opalas, Sambasonics, Gafieira etc e tal, Gafieira São Paulo e Havana Brasil.

Amanhã sai a programação completa com mais detalhes e com os estabelecimentos que vão aderir a balada 24 horas. Vai ter também um placo Toca Raul que se possível não vou nem passar perto.

fonte: G1