Arquivo para LCD Soundsystem

#1528 – Projeto X e Shame no meu novo cinema predileto

Posted in Cinema with tags , , , , , , , , , , on 27 de março de 2012 by Ricardo Somera

Na quinta-feira passada fui ver Pina 3D no Kinoplex Itaim. Já tinha ouvido falar muito bem do lugar e gostei bastante do conforto das poltronas e do lugar em si. Tudo muito bonito, mas na minha opinião muito caro (R$ 14 meia entrada). A vantagem é que estava passando uma pré-estréia em dia de semana às 18h. Fui, conheci e curti, mas não sei se voltarei.

O “meu novo cinema predileto” do título é o UCI Jardim Sul e se você mora na região de Santo Amaro/Morumbi também vai virar o seu cinema de cada semana. Há pouco tempo descobri que as segundas-feiras qualquer filme (2D) custa apenas R$ 7 a INTEIRA em qualquer horário. A programação mescla blockbusters (como Jogos Vorazes) com filmes de circuito restrito (Shame e documentários) e tem um combo de segunda que custa R$3,50 (pipoca, refri e Sonho de Valsa) e o melhor: é vazio.
É o cinema mais perto da minha casa e como estou aproveitando do meu tempo para o ócio criativo pego duas sessões seguidas pagando meia (cliente Itaú paga meia). Virou minha casa as segundas.


Hoje comecei com “Projeto X”, do diretor estreante Nima Nourizadeh e produzido por Todd Phillips (diretor de Se Beber Não Case). O filme conta a história de três losers (Thomas, Costa e JB) que querem muito ser populares no colégio e resolvem dar uma festa de aniversário para Thomas que tem como objetivo tirar os três do “anonimato” e pegar as garotas mais gatas do colégio, claro. Os pais de Thomas vão viajar e aí começa a festa com drogas, sexo, álcool e … MUITA CONFUSÃO. rs

É o American Pie da Geração Y e como não poderia deixar de ser com muito rap e dubstep. Eu dei boas risadas, mas com a legendagem que vi no cinema muitas piadas perdem todo o sentido e conseqüentemente a graça. Os “legendadores” tentaram suavizar palavras como pussy e as legendas as vezes pareciam que nem era do filme que eu estava vendo. Lamentável!

A trilha sonora oficial (a que vendem em CD) não me agradou muito, mas no contexto do filme fica simplesmente FODA. Há algumas músicas que estão no filme, mas não na trilha sonora (em CD) como LCD Soundsystem (Daft Punk is Playing at My House), Yeah Yeah Yeahs (Heads Will Roll – A-Trak Remix), Designer Drugs (Riot) e até Bonde do Rolê (Marina Gasolina do Bairro).

Não tem como perder uma festa dessa.

***

Depois de sair de Projeto X emendei uma sessão adulta e fui ver Shame (de Steve McQueen) que conta a história de Brandon (Michael Fassbender) um homem bem sucedido, bonito, solteiro e viciado em sexo. Tudo aparentemente está bem até que sua irmã Sissy (Carey Mulligan) aparece para ficar alguns dias em seu apartamento. Como até o momento Brandon vivia sem os olhares de ninguém e vivia suas aventuras e taras sexuais com quem e onde bem entendesse a presença de sua irmã causa um desconforto que leva a uma tensão sexual e psicológica no filme. Seu vício em pornografia, seus relacionamentos instáveis e os sentimentos que o personagem transmite ao expectador são extremamente provocativos e perturbadores. É um filme adulto, não agrada a todos e coloca o dedo em muitas feridas sentimentais. Eu achei sensacional.

Imperdível.

Um dos momentos mais bonitos do filme: Sissy canta “New York, New York”.

#1595 – Do Ya Thing é a nova música do Gorillaz com Andre 3000 & James Murphy

Posted in Eletrônica, HQ, Pop with tags , , , , on 24 de fevereiro de 2012 by Ricardo Somera

Hoje foi lançado a música “Do Ya Thing” do Gorillaz com a participação de Andre 3000 (Outkast) e James Murphy (LCD Soundsystem). A música faz parte do projeto “3 artists, 1 song” da Converse. Particularmente não gostei muito. Achei um “mais do mesmo” piorado do Gorillaz. Aguardo a próxima.

#1640 – Shut Up and Play the Hits, o filme do LCD Soundsystem

Posted in Eletrônica, Indie with tags on 12 de janeiro de 2012 by Ricardo Somera

Dia 2 de abril do ano passado, o LCD Soundsystem fez o seu último show (com ingressos esgotados!) no Madison Square Garden, em Nova York. E agora o fim de uma das bandas mais legais e influentes desse novo século virou o filme “SHUT UP AND PLAY THE HITS“. A proposta do filme é tanto de ser um documentário sobre a banda como um retrato íntimo de James Murphy (frontman da banda) e como ele faz os preparativos para o show, o dia seguinte, e as consequências pessoais e profissional de sua decisão.

Estréia no final do mês no festival de Sundance.

#1658 – Live Alone por LCD Soundsystem

Posted in Eletrônica, Rock with tags , on 23 de dezembro de 2011 by Ricardo Somera

Depois do Franz Ferdinand gravar “All My Friends” do LCD Soundsystem chegou a vez do LCD gravar Live Alone do Franz. Coisa fina…

#1685 – SWU ainda tem que comer muito feijão com arroz (organico!) pra ser um ótimo festival.

Posted in Dub, Eletrônica, Evento, Pop, Rap, Reggae with tags , , , , , , , , on 13 de novembro de 2011 by Ricardo Somera

Que o festival SWU é gigantesco não há como negar, mas ainda vai ter que comer muito arroz e feijão pra ser um ótimo festival. E vai ter que ralar muito para ser uma referência em sustentabilidade.

Chegamos em Paulínea tranquilamente próximo das 15h. O estacionamento virou o ponto de encontro e o esquenta dos shows. Entre o estacionamento e a entrada do festival muito lixo e nenhuma lixeira. Dentro do parque muito lixo espalhado pelo chão, lixeiras lotadas e nenhuma pessoas fazendo a limpeza ou recolhimento desse material. O banheiro masculino não tinha luz e não tinha ninguém do festival responsável por limpar e organizar o lugar e os bebados e outros sem noção começaram a urinar já nas paredes de entrada do banheiro (pô, e a coletividade pessoal?).


Foi um dia quente com atrações mornas. Chegamos para o show do SoJA e mesmo não conhecendo tanto os trabalho dos caras achei o show na medida e o melhor do primeiro dia. Simpatia e bom humor da banda fez a galera se inspirar e pirar. Conquistou o público quando foi projetado nos telões o nome da banda em uma bandeira do Brasil.

foto da Julia M.

Solzão deu uma trégua e a brisa que tava no lugar fez o clima ficar muito bom.

Depois veio só o já esperado: D2 dublando, Damian Marley conquistando a galera com a músicas do pai, Kanye West mostrando que é o rei do Auto Tune e o Black Eyed Peas e a farofada de sempre que deu pra dar uma pulada entre uma soneca e outra.
Não vi o Snoop Dog que disseram que tocou até o pagode “A minha fantasiaaaaa….”. Essa hora fui na tenda eletrônica ver o James Murphy e cheguei lá e quem tava tocando? O Marky. Fazia uma era que não escutava um Drum’n Bass e o fim da apresentação foi muito legal. James M. entrou nas picapes num desanimo só e o show só foi melhorar depois de uns 20 minutinhos. Nada demais. #VoltaLCDSoundsystem

Pra ser um ótimo festival de sustentabilidade o SWU de 2012 deve melhorar na escolha das atrações (prioridade!), incentivar as pessoas a levarem suas próprias garrafinhas de água e espalhar bebedouros pelo parque (água a R$5 não dá, né?), treinar melhor as pessoas que trabalham no festival (um dos vendedores de cerevja queria me cobrar R$20 por uma latinha!), melhoria nos banheiros, não apenas quantidade, mas limpeza. Sem contar sobre a coleta dos lixos das lixeiras e do chão.

Mas claro que tiveram pontos fortes como os “bares ambulantes” com chopp, solzão muito bom, lugar gigante que facilitou a circulação das pessoas (mas cansou as pernas…rs) e a ausencia de fila para entrar, estacionar e ir aos banheiros.

Aguardo ansiosamente o festival do ano que vem e suas melhorias. Ah, distribuir a programação com mapa do evento na entrada do festival também ajuda a ter uma boa experiência. #vamoquevamo

#1686 – Um sábado para salvar o SWU 2011

Posted in Dub, Eletrônica, Evento, Pop, Rap, Reggae, Rock with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 10 de novembro de 2011 by Ricardo Somera

Depois de trazer na primeiara edição Queens of the Sone Age, Rage Against the Machine, Pixies, Kings of Leon, Sublime, entre tantas outras boas bandas, a segunda edição só tem um sábado pra “parear” com 2010. Dia 12 será o primeiro dia do festival de música e discussões sobre sustentabilidade e parece que acaba por alí. O lineup está muito bom, mas como qualquer festival tem banda legal tocando no mesmo horário que outra banda muito boa.

Se desse pra ver tudo no sábado eu escolheria os artistas abaixo:

SoJA

(Energia ou Consciencia às 16h55) e hoje (10) em Porto Alegre -RS

Com certeza é a banda que mais me interessa em todo o festival. O SoJA (Soldies of Jah Army) é uma das melhores bandas de dub reggae da atualidade. Som gostoso pra pular e também pra relaxar. Será uma coisa linda de se ver.

Matt and Kim

(New Stage às 17h15)

Essa banda de duas pessoas já tocou no festival indie Popload Gig e tem musicas pra fazer “us andergraudi” pular. Gosto dos clipes deles e ao vivo deve ser muito mais divertido. São figurinhas carimbadas nos festivais de verão do hemisfério norte e se der tempo de sair após o show do SoJA e andar até o New Stage..eu vou!

Damian “Jr. Gong” Marley

(Energia ou Consciencia às 19h20)

Ele é filho do Bob Marley e pra mim não precisa de mais. Tá no sangue.

Snoop Dog

(Energia ou Consciencia às 20h25) e amanhã (11) em Floripa – SC

Não sou fã do Snoop Dog, não conheço muito suas músicas, mas acho que um show no Brasil de um dos maiores cannabilistas do mundo será no mínimo divertido. Acho que irá me supreender, mas se tiver chato vou dar uma volta nos outros palcos.

James Murphy

(Heineken GreenSpace às 20h30) e amanhã (11) na inauguração do Cine Jóia (não confirmado)

Frontman da melhor nada de eletrorock que eu conheço (o LCD Soundsystem), dono de selo cool (o DFA Records do Hot Chip, The Rapture e do próprio LCD Soundsystem) e um dos grandes produtores musicais do mundo. É pouco? Então escuta aí…

Kanye West

(Energia ou Consciencia  às 21h30)

Dos artistas que gosto o Kanye West é a grande estrela da noite (se pá do festival). Não escutei o novo álbum com o Jay-Z, mas o álbum Graduation é foda demais. Promete ser um puta showzaço se ele não resolver dublar como no TIM Festival (do Ibirapuera). “Há boatos…”

Ainda tem Emicida, Copacabana Club, Tiga, Database, D2 e Odd Future Wolf Gang Kill Them All, do  rapper Tyler, The Creator.

Ainda não comprei…mas vou!

#1697 – Tokyo Police Club é a primeira banda trazida coletivamente pelo Playbook

Posted in Indústria, Indie, New Rave, Rock with tags , , on 21 de outubro de 2011 by Ricardo Somera

O crouwndfunding chegou pra ficar. Depois da empreitada do coletivo dos cariocas empolgados “Queremos” que já levaram nomes como LCD Soundsystem e Vampire Weekend ao Rio de Janeiro sendo finaciado pela multidão indie da cidade maravilhosa agora chegou a vez do resto do país escolher (e bancar) as shows sem depender da boa vontade de patrocinadores e produtores de shows.

A empresa Playbook entrou no mercado de shows financidos pelos fãs e já conseguiu fechar o primeiro deles: Tokyo Police Club.

A banda volta pela terceira vez ao Brasil (Planeta Terra 2007 e recentemente na festa fechada da Jack Daniel’s) e o show vai acontecer no Upper Club e custou R$ 260 a cota para trazer a banda para um clubinho, open bar e no melhor ligar da pista. Pra quem quer ir e não fez parte dos “paulistas empolgados” dá pra comprar no site do Ingresso Fácil por R$ 140 (R$ 70 a meia). SUUUUCESSO!

Qual será a próxima?

O Verão promete!

PS: melhor deixar o próximo financiamento para o ano que vem, né? Já tem SWU, Planeta Terra, UMF Brasil e em breve a inauguração do Cine Jóia tudo esse ano.

PS: trazida é uma palavra estranha, né? Mas pesquisei no Google e tá certo…rs