Archive for the Pop Category

#1510 – Los Hermanos 20 anos

Posted in Pop with tags on 9 de julho de 2012 by Ricardo Somera

Em 2012 a banda Los Hermanos (sim, eu cresci e ainda curto!) completa 20 anos de carreira (não contínua) e dia 20 abre a turnê de comemoração. Além de show a banda lançará seus álbuns em vinil, documentário e livro com fotos.

Para as 25 apresentações que acontecerão em 11 capitais brasileiras a agência Tecnopop desenvolveu cartazes comemorativos. Não são lindos?

Todos os demais posters você pode ver aqui.

#1511 – Natalie Portman e Johnny Depp no clipe do Sir Paul Macca

Posted in Pop with tags , , on 17 de abril de 2012 by Ricardo Somera

Novo clipe da música “My Valentine”, tirada do último álbum de Paul McCartney , “Kisses on the Bottom” tem interpretações mímicas dos atores Natalie Portman e Johnny Depp.

Ele tá chegando…

S2

#1512 – Virada Cultural confirma Charles Bradley e Man or Astroman?

Posted in Evento, Pop, Rock, Soul with tags , , , , , , , , , , , , , on 16 de abril de 2012 by Ricardo Somera

Na última sexta-feira (13) foi divulgada a programação da Virada Cultural de São Paulo que acontece dias 5 e 6 de maio.

Nome importantes como Gilberto Gil, The Abyssinians (Jamaica), Charles Bradley (EUA), Titãs (tocando Cabeça de Dinossauro), Suicidal Tendences (EUA), Man or Astro-man?(EUA), Bloco do Sargento Pimenta (tocando Beatles com uma pitada de Carnaval), Trupe Chá de Boldo, A Banda Mais Bonita da Cidade, Cruz e Bixiga 70.

Além de diversas atrações como Macumba Antropófaga Planetária (Teatro Oficina) e programação nos SESCs da cidade com Jorge Ben, Casuarina, entre outros.

A programação completa está no site do evento.

#1515 – LollaBr 2º dia: Micareta Indie

Posted in Eletrônica, Evento, Indie, Pop, Rock with tags , , , , , , , , , , , , , , on 11 de abril de 2012 by Ricardo Somera

Domingo amanheceu com um “sol de janeiro” anunciando um ótimo dia de show. O tão esperado dia da micareta indie começou com o show eletrizante da trupe punk cigana do Gogol Bordello. Duas da tarde, sol forte pra caralho e o palco estava lotadaço. Muita gente cantando os hits (“Immigrant Punk” e “Start Wearing Purple”) e balbuciando as demais músicas e pulando em TODAS. Estava aberto o Carnaval de Salvador segundo dia do Lollapalooza Brasil.

Gogol Bordello (Foto da página oficial do evento no Facebook)

Eugene Hütz tava piradão como sempre e mesmo com aquele sol não dispensou a garrafa de vinho (quente!). Mas o destaque foi Pedro Erazo e seu uniforme da Metô de gari e a animação característica da banda. Na platéia já era perceptível que a idade do público tinha caído uns dez a quinze anos desde o dia anterior. Tintas fluorescentes (e a noite stickers luminosos) deram o tom micareta-new-rave ao festival (com alguns aninhos atrasados…rs).

As filas desapareceram e o como o sol estava muito forte a tenda ficou lotada para o show do Killers on the Dancefloor. A dupla conseguiu segurar o clima animado do Gogol Bordello e só embalou hit: Nirvana, Red Hot, Justice e a música mais tocada na tenda durante todo o dia “Barbra Streisand”, do Duck Sauce.

O show do Friendly Fires prometia dar sequuencia a diversão, mas…o que era aquele sonzinho? Não adiantou todo o rebolation do Ed Macfarlane (vocalista) ou usar dois microfones (tava muuuito baixo). Depois de Skeleton Boy, achei que o show não iria melhorar e fui pro bar.
A boa surpresa do dia estava pra acontecer com Manchester Orchestra (eles são de Atlanta e não são uma orquestra). Sem dúvida foi a banda mais rock’n roll (anos 90) do dia. É muito bom conhecer uma ótima banda como essa direto no show. Som forte e provavelmente a banda mais desconhecida do dia. Virei fã.

Manchester Orchestra (Foto da página oficial do evento no Facebook)

O tempo fechou e a correria em direção a tenda pra se proteger favoreceu a apresentação farofa do Tinie Tempah. O rapper atrasou um pouco e o MGMT (no palco ao lado) começou antes. Na tenda o DJ pensou que estava numa festa da Cásper e mandou Satisfaction (Benny Benassi), Kuduro e claro “Barbra Streisand” (trocando por Tinie Tempah). O cara entrou na tenda e como a chuva não tava tão forte tentei ver algumas músicas do MGMT. “Brian Eno” e “Kids” foram o suficiente. Acompanhei a multidão que abandonava o show e fui pro outro palco para o começo do Foster The People.

Foto da página oficial do evento no Facebook

Foi um dos grandes shows. Muita gente odiou, outros falando que os caras não tem carisma, bla bla bla. Mas foi um show legal e os que mais escutei gritinhos do público (feminino).
Como era de se esperar os caras deixaram o hit Pumped Up Kicks por último e fez a galera pular muito. Acho que a banda deveria aproveitar mais o “barulhinho” do começo da música. Mas os caras preparam uma super balada no final da música. Sério, foi tão legal que nem lembro das músicas que rolaram antes.

20:30 estava na tenda esperando o show do Racionais.

20:45 hora de começar o show….NADA.

21:28 dois minutos para o show do Arctic Monkeys….desisti!

21:30 Começa o Arctic Monkeys no palco principal do Lollapalooza Brasil com “Don’t Sit Down ’cause I’ve Moved Your Chair (minha música preferida do último álbum), “Teddy Picker” e “Crying Lightning“. Alex Turner e seu cabelo rockabilly levou o show inteiro com maestria e sempre arrumando seu topete. O público me pareceu um pouco mais contido que no show do Foo Fighter no dia anterior, mas não deixou de cantar todos os hits, novos e velhos, e da meninada gritar a cada “olhar sensual” do vocalista ou final de música. Sem dúvida o show da noite e vice no festival. O bis teve “R U Mine?“, “Fluorescent Adolescent e “505“.

Como se superar em 2013?

#1516 – LollaBr 1º dia: A família vai pro rock

Posted in Clássico, Cover, Evento, Indie, Pop, Rock with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 9 de abril de 2012 by Ricardo Somera

O primeiro dia do Lollapalooza Brasil começou com muitas filas. As filas para entrar no festival estavam gigantes e menores, mas mais demoradas estavam as filas para comprar fichas, cerveja e comida. Mas os problemas acabaram por aí. Cheguei no começo do show da banda Cage The Elephant, mas como o sol estava muito forte e eles começaram o show com a única música que eu conhecia (Shake me Down) resolvi ir pra tenda do Perry ver Rhythm Monks. Foi a primeira boa surpresa do dia. Vestidos com quimonos e máscaras eletrônicas (uma espécie deDaft Punk oriental) o trio conseguiu agitar os poucos presentes – maioria fugindo do sol. Os taikos (tambores japoneses) foram substituidos por baterias eletrônicas. Uma ótima apresentação de “boas vindas”.

Foto da página oficial do evento no Facebook

O clima do festival tava família. Muitas crianças e até mesmo bebês estavam com suas roupinhas de caveira. O KidzaPalooza foi uma ótima desculpa para levar toda a família pra uma tarde/noite rock´n roll.

Foto do blog Popload http://virou.gr/IbBGFh

O Rappa, a primeira atração de peso do dia entrou pontualmente às 16h no palco principal e fez um dos melhores shows do evento. Embalou a multidão, com hits como “Me Deixa”, “A Minha Alma”, cover de “Killing in the Name” (Rage Against the Machine) e Súplica Cearense (Luiz Gonzaga), essa última foi regravada pela banda no álbum 7 Vezes.

O Rappa representou muito bem o Brasil no meio da seleção gringa. A banda foi convidada e vai tocar no Lolla Chicago em agosto.

O resto do dia foi a espera para o show do Foo Fighters. Colei no Band of Horses pra encontrar a galera e achei a banda meio “trilha sonora do True Blood”. Como tinha visto o show do TV on the Radio um dia antes, passei. Voltei pra tenda pra ver o Bassnectar. Mano, que barulheiraaaaa boa!  Esse tal de dubstep é muito chapação de crack, distúrbios mentais, sem nenhum tiquinho de caribó.

Foto da página oficial do evento no Facebook

FOO FIGHTERS

O grande show da noite com a melhor banda de rock da atualidade durou mais de duas horas mesclando hits, músicas do novo álbum e euforia da galera que lotou o Jockey. Dave realmente é um talento com todas as “suas” bandas (Nirvana, Queens of the Stone Age, Them Crooked Vultures), mas com o Foo Fighters ele se supera. O show começou “apenas” com “All My Life”. Embalou as próximas horas com, “Learn To Fly”, “My Hero”,“Rope”, “White Limo”, “In The Flesh” (cover do Pink Floyd), “Bad Reputation” e “I Love Rock N’ Roll” (canções de Joan Jett, que participou do show). Como já era esperado o show terminou com “Everlong” e Lollapalooza Brasil já se consagra antecipadamente como o melhor festival do ano. LollaRocks!

#1518 – Franz Ferdinand de graça no Festival da Cultura Inglesa

Posted in Indie, Pop, Rock with tags , , on 6 de abril de 2012 by Ricardo Somera

O blog Line Up confirmou que o Franz Ferdinand será o “headliner” do Festival da Cultura Inglesa que acontece em maio no Parque da Independência (Ipiranga – São Paulo). A banda escocesa volta ao Brasil na companhia de The Horrors e We Have a Band no dia 27 de maio.

Já não estarei mais no Brasil, mas pode ter certeza que será épico.

#1520 – The Royal Ballet apresenta…Mark Ronson

Posted in Dança, Pop with tags , , , , , , , , , , , , , on 5 de abril de 2012 by Ricardo Somera

Há dois anos o coreógrafo de dança contemporânea Wayne McGregor convidou Mark Ronson (produtor de nomes como Amy Winehouse e Adele) para ser o responsável pela trilha sonora de seu próximo espetáculo.

O convite foi aceito por Ronson e hoje (5) estréia na Royal Opera House, em Londres, o espetáculo Carbon Life. O “staff” de Ronson conta com Andrew Wyatt, líder e letrista do Miike SnowAlison Mosshart do The KillsJonathan Pierce do The DrumsBoy George e o rapper Wale.  Os arranjos orquestrais ficaram nas mãos de Rufus Wainwright.  Todos os artistas convidados participarão da peça, incluindo Mark Ronson com sua banda, tocando ao lado da orquestra. Os convidados se apresentarão no meio dos bailarinos.

O tema da peça será o amor pela visão de Jung, objeto de estudo de Andrew Wyatt quando foi convidado por Ronson. E pela visão dos convidados, também. Todos os artistas foram “brifados” e acomodaram suas letras ao tema, cada um falando de amor a sua maneira.

Figurino criado por Gareth Pugh especialmente para "Carbon Life"

Ao jornal “The Independent”, Ronson disse:

Alguns trechos da Alisson parecem essas cartas de amor selvagens e turbulentas, colocadas em uma canção. As letras do Jonny (Drums) contemplam como o amor pode ser algo incrivelmente puro, como se fosse uma extensão da natureza. E o Wale fala de uma maneira mais contemporânea, de como às vezes só estamos tentando levar uma garota pra casa, e que tudo o que falamos é só uma maneira de atingir esse objetivo. Se você perguntar a alguém sobre o amor, todo mundo terá uma interpretação diferente dele.


Carbon Life fica em cartaz até dia 23 de abril e os preços variam de 3 a 42 libras.